Como se destacar na multidão?

Como se destacar na multidão?

Você tem a sensação de que tem muita gente por aí fazendo o mesmo que você? Engenheiro, jornalista ou empreendedor, quantas pessoas você conhece que parecem ter o mesmo conhecimento e as mesmas habilidades para oferecer? Muitas? Muitas mesmo!

 

Porém, vamos pensar até onde isso pode ser verdade ou não.

 

Segundo o IBGE, somos aproximadamente 209 milhões de habitantes no Brasil hoje. Éramos 173 milhões no ano 2000. Crescemos em torno de 20%, sendo que estamos vivendo um pouco mais, e nascendo um pouco menos.

 

Há dezoito anos, metade da população estava abaixo dos 25 anos e hoje apenas 38% está abaixo. Com certeza, não é porque percentualmente tem mais gente adulta no mercado, porque mais pessoas se formaram em engenharia ou administração ou estão empreendendo, que vemos tantos na mesma carreira que nós.

 

Essa percepção de que tudo está muito igual vem da quantidade de informação que passamos a ter com a vida digital. Tá tudo na REDE!!!! Há 20 anos, não enxergávamos onde estavam nossos colegas, nem aqueles que tinham se formado conosco. Demandava muito esforço saber quem era e onde estava a concorrência. E agora? A gente vê até aqueles que se mudaram para a Conchinchina!

 

Sabemos quem são, onde estão e o que estão criando, construindo, realizando!

 

E o que acontece quando você precisa vender um produto ou um serviço? Ou quando pensa no próximo passo da sua carreira ou tem vontade de mudar de emprego? Parece que vai ser muito difícil! Quem vai querer algo que é mais do mesmo? Ninguém, ou poucos. Então, é hora de pensar no que fazer para não parecer que é mais do mesmo.

 

Encontre o seu diferencial!

 

Por mais que tenhamos essa impressão de que todo mundo faz o mesmo que a gente, analisando um pouco mais a fundo, entre tanta gente que você conhece, você pode apontar duas pessoas iguais? Certamente não!

 

Somos únicos na nossa forma de ser, de nos relacionar e de nos comunicar com o mundo. A combinação das qualidades que estamos sempre buscando desenvolver com os defeitos que carregamos é o que nos faz diferentes do amigo, do colega e do vizinho.

 

O diferencial está dentro de cada um de nós!

 

Indo ao lado prático, sabemos que a dinâmica do trabalho vem mudando, que falar inglês ou ser bom no Excel já não nos destaca no mercado e às vezes nem uma pós-graduação ou um mestrado. Então, o que fazer?

 

Buscar dentro da gente o que realmente nos diferencia dos outros. Nossos princípios, nossas qualidades, nossa maneira especial de fazer o que fazemos e o valor do que entregamos aos outros. Não é simplesmente ser diferente, e sim fazer a diferença para as outras pessoas, é a marca que deixamos, é a nossa marca pessoal!

 

Já se vão alguns anos que o pessoal de Humanas pesquisa e afirma que o que nos faz perder um emprego está mais ligado às competências comportamentais que às técnicas.

 

E embora ainda se contrate pela bagagem técnica, com o avanço da tecnologia e a substituição das funções mais rotineiras e repetitivas por robôs ou por algoritmos, nós seremos relevantes apenas quando formos capazes de apresentar habilidades nas relações interpessoais. Vale ler também o que o Paulo Silvestre escreveu recentemente sobre a “humanidade” como diferencial, numa perspectiva interessante do tema.

São essas mesmas competências “humanas” que farão com que ganhemos destaque entre pares e concorrentes, pela importância do que agregamos àqueles com quem convivemos.

 

Conheça a si mesmo!

 

Não existe maneira de diferenciar-se sem que você se conheça muito bem.

 

Veja uma história minha de criança. Fiz as provas de admissão ao segundo grau e sabia que tinha ido superbem. Segura que estava de que tinha acertado todas as questões de matemática, quando minha mãe me perguntou quanto eu achava que ia tirar, eu respondi na lata “DEZ”!. O que ouvi de volta? “Quem é você para achar que tirou dez?”.

 

Foi duro, viu? Tão duro que até hoje lembro da história e do lugar onde estávamos quando ouvi essa sentença que me desqualificava e a minha resposta tinha sido uma simples afirmação de quem tinha total consciência do feito! Eu só recordo que pensei algo do tipo “ela vai ver”. E tinha sido DEZ mesmo!

 

Minha mãe era uma pessoa doce. O que teria dado nela naquele momento? Talvez o medo de que eu me tornasse alguém arrogante e prepotente? Imagino que sim, pois naquela época éramos ensinados que a humildade significava não nos “exibir”.

 

Só que hoje tudo mudou! Mostrar do que somos capazes e como podemos contribuir com os outros é a forma de encontrarmos nosso lugar ao sol, já que estamos vivendo essa era de exposição máxima. Se nós não o fizermos, nossa luz provavelmente não será vista. E quem não é conhecido não pode ser reconhecido e muito menos será escolhido!

 

Por onde começar? Pela consciência do que compõe essa pessoa única que você é. E aqui eu sugiro que você procure um profissional especializado. Pode ser um estrategista de marca pessoal como eu (aqui vendendo o meu peixe!), um gestor de carreira, um coach, porque quase todo mundo tem dificuldade de falar das suas qualidades, daquilo em que realmente é bom. Experimente perguntar para um amigo o que é que ele faz de melhor? Se ele ainda não tiver passado por esse processo de autoconhecimento, provavelmente ele vai titubear e dizer “nossa, como é complicado falar da gente!!!”

 

Se quiser tentar sozinho, você pode começar experimentando os testes online. Bons exemplos são o 16 personalities, que fala das tendências de comportamento da sua personalidade, o DISC, que mostra seu estilo de liderança, e o 99match, que fala dos seus valores aplicados ao trabalho.

 

Analisar os resultados desses testes com responsabilidade o ajudará a enxergar um pouco mais do que você é e, a partir daí, pensar nos seus sonhos, nas suas paixões, seus objetivos, onde você quer chegar em sua vida pessoal e profissional.

 

O que é realmente importante para você? O que lhe motiva a dar o seu melhor? O que é que você faz como ninguém mais? O que você quer aprender e praticar até ser muito bom naquilo? Lembre-se que, mais que o talento, o estudo e a prática nos fazem chegar ao ponto de ser muito bons em algo, mesmo que não tenhamos nascido com aquela aptidão.

 

Você pode ser tão incrível quanto decida ser!

 

Mostre-se ao mundo!

 

Com tudo isso na mão, é hora de subir ao palco! Opa… não estou falando de virar palestrante motivacional, a menos que isso seja o seu desejo!

 

Mas transformar o que você é e tem para entregar em uma proposição de valor, tendo uma estratégia de visibilidade, lhe ajudará a encontrar os canais para promover o seu trabalho.

 

Você deve agir com consistência e constância e dar-se a conhecer por aqueles que lhe interessa conviver, trabalhar e fazer negócios! Tá tudo na REDE!!!! Então você também tem que estar na rede, porque só quem é visto pode ser encontrado e apreciado!

 

Com a Internet toda ao nosso dispor, podemos ter blogs e publicar o que quisermos, compartilhar o nosso conhecimento, falar de nossas conquistas e aprendizados, angariar seguidores, conversar com pessoas que nos admiram e falam de nós.

 

Mais abertamente, temos o LinkedIn e outras redes profissionais, onde nos colocamos à vista de muitos outros profissionais de nossa área, de correlatas e até algumas que aparentemente não tem nada a ver.

 

Destacar-se como profissional é parecido com o que se faz com a marca de um produto. Não se engane, deixamos marcas em tudo o que fazemos e você deve querer que essa marca seja a melhor possível! Em outras palavras, para aparecer no meio de tanta gente aparentemente igual, você deve saber exatamente o que é o produto (nesse caso, você mesmo), os benefícios que proporciona e encontrar a maneira de colocá-lo visível no mercado desejado, para que seja atrativo para seus consumidores, clientes, gestores.

 

Deixo como final desse artigo, a entrevista dada por Rachel Maia para a Amcham, onde fala de seus próximos passos depois de deixar o cargo de presidente da Pandora no Brasil.

 

Segundo ela, “o conhecimento é poder, é inclusivo e é compartilhável”. Pode apostar que é compartilhando seu conhecimento que você terá a chance se destacar na multidão!

 

 

Faça como Rachel conta nessa outra entrevista:

 

“Tenha foco, vá onde quer que seja necessário e faça!”

 

Obrigada por ler o artigo e, se achar que ele pode ser útil a outras pessoas, por favor, curta e compartilhe em suas redes!

 

Sou Estrategista em Imagem e Marca Pessoal e posso lhe ajudar no desenvolvimento da sua carreira e na sua estratégia pessoal, contribuindo para que você seja mais feliz com sua vida e seu trabalho.

 

Entre em contato para saber como esse programa pode ser transformador para você!

 

Outros artigos que podem lhe interessar:

Você pode ir muito mais longe!

Se não lhe conhecem, não lhe reconhecem! Menos ainda, vão lhe escolher!

Você sabia que pode ser feliz com seu trabalho?

 

0 Comments
Share Post
No Comments

Post a Comment