Falando em público

Você quer ganhar confiança para falar em público?

Se você clicou para entrar neste artigo, eu imagino que você faça parte de um grande grupo de pessoas que se sente muito desconfortável quando precisa falar em público.

 

Vários estudos apontam listas diferentes de medos que o ser humano tem e todos eles mostram que um dos mais fortes é justamente esse: o de falar em público. Medo que supera o de doenças e da morte, o de cobras, o de altura, o de voar e outros que vemos como comuns.

 

Nesses outros, com parece existir uma ameaça real, geralmente as pessoas não se importam em expô-los. Mas confessar que tem medo de se apresentar em público?

 

Huummm… a gente se sente bem incomodado! Principalmente executivos, e quanto maior e mais importante for o cargo e a empresa, mais parece que esse medo é fora de propósito. Ou pessoas em cargos que por sua natureza, lidam com o público, como os professores. Já imaginou um professor se sentir mal porque tem que falar em público?

 

Pois acredite que eu conheço vários professores que têm total domínio de classe, porém, se têm que se reunir com a diretoria da escola, suam, ficam calados porque não conseguem se pronunciar. Ou, se têm que fazer uma palestra, (pior que tudo!) até esquecem o que tinham a dizer. Conheço outras pessoas que fazem palestras para centenas de pessoas com muita facilidade e curiosamente têm bastante dificuldade quando precisam se manifestar em grupos pequenos.

Por que sentimos essa agonia de falar em público?

 

Cada um sabe a dor que lhe aflige, porém o principal motivo identificado é o medo de se expor, dar a cara e falhar, e consequentemente, ser julgado de forma negativa. No momento em que vamos falar, todos os olhares se voltam para nós e tudo o que dissermos e fizermos será avaliado pela audiência, não importa que tamanho tenha.

 

Aí, bate a insegurança. E se meus slides não foram atraentes? Se eu não for um apresentador convincente? Se eu esquecer o que tenho que dizer? Se o assunto não interessar ao público? Até alguns palestrantes e atores famosos revelam que sentem frio no estômago quando começam suas performances no palco.

 

Você não está sozinho!

 

Também é claro que você conhece gente que não tem qualquer problema. Alguns afortunados, desde a primeira vez que se apresentam em público, o fazem com clareza e segurança. Sejam sérios ou divertidos, formais ou informais, levam suas apresentações com facilidade e o público acha excelente! Mas as pesquisas indicam que esses são minoria. Nós, mortais, nos sentimos inseguros, até que encontremos uma forma de melhorar isso.

 

Dependendo do seu grau de desconforto, a solução pode estar em um ou mais cursos de comunicação, apresentação, criação de slides, storytelling, oratória, ou em livros como o TED Talks.

 

Mas todas as técnicas aprendidas só farão efeito

 se você ganhar confiança para aplicá-las.

 

E como ganhar essa confiança para falar em público?

Primeiro que tudo, como sempre, conheça-se bem, saiba onde estão seus pontos fortes e o que precisa ser melhorado em sua comunicação. Do que você tem medo? Se for algo muito profundo, se você chega a sentir pânico, talvez valha a pena consultar um psicólogo ou psicanalista para resolver as causas. Se for mais leve, como problemas com a voz, com a postura, com o vocabulário a ser usado, vou colocar aqui algumas técnicas que podem lhe ajudar a aumentar o seu controle emocional. Minha sugestão é que sejam exercitadas sempre, para que você já esteja “treinado” quando a ocasião aparecer!

 

Comece a exercitar a respiração abdominal. Inspire levando o ar até encher bem o abdômen, prenda por poucos segundos e solte muito devagar pela boca. Esse exercício, se repetido algumas vezes todos os dias antes de dormir e ao acordar, educam o seu cérebro para associá-lo ao relaxamento. Quando então você estiver em situação de estresse, como antes de uma reunião, de uma palestra, ou até de uma esperada entrevista, respire da forma indicada por uns minutos. Seu cérebro resgatará aquela sensação de paz e relaxamento, e você se sentirá mais calmo e com controle da situação.

 

Pratique a concentração, a atenção plena. Uma boa técnica é se perguntar, ao chegar nos lugares: onde estou? com quem estou? o que vim fazer? Isso lhe colocará no momento presente e naquilo para que você veio. Resgate lembranças positivas, lugares bonitos, situações em que você se deu bem, para lhe trazer bem-estar. E respire como indicado acima, para dominar a inquietação e plantar seus pés na terra.

 

Antes de entrar em ação, exercite todos os músculos da face, língua e garganta para estar com a voz tinindo, conforme as orientações do apresentador Julian Treasure, no TED abaixo:

Preparando-se para o evento

Seja em uma reunião, em uma apresentação para um grupo de trabalho ou em uma palestra, qual é o seu objetivo maior? Que as pessoas compreendam o que você disser, que comprem a sua ideia e a levem na cabeça, não é mesmo? Para que isso aconteça, saiba que você precisa falar ao coração das pessoas também! É a neurociência que diz.

 

Para tocar as emoções de seus interlocutores, estruture o seu material e a sua fala, trazendo o problema que possam ter, chamando-os a sentir a dor que têm. A partir daí, apresente a sua solução para aquele incômodo. Demonstre a oportunidade existente em tirar o problema da vida do “cliente”.

 

Para deixá-lo mais seguro e preparado, simule repetidamente a forma como apresentará o seu material, sejam slides em ppt, Prezi ou qualquer outro programa, ou a demonstração real de um produto. A cada rodada que fizer, tente mudar o vocabulário usado, o texto preparado, para ter flexibilidade na hora da apresentação real.

 

Estude marcando o tempo que você utiliza. Calcule para falar ¾ do tempo que lhe concederem. Assim, você terá tempo para os improvisos e possíveis perguntas que lhe façam.

 

Pense nas pessoas que estarão presentes e busque usar o mesmo tipo de linguagem que é comum entre elas. Você precisará investigar um pouco sobre o público com antecedência, mas lhe garanto que eles lhe entenderão e aceitarão suas ideias muito mais facilmente se você estiver usando o vocabulário mais alinhado.

 

Ponha-se no lugar de espectador e pense que perguntas poderiam lhe fazer. Prepare-se com as melhores respostas. Isso também lhe dará mais segurança, já que estará se antecipando a possíveis questões desafiadoras.

 

Vista-se de acordo com a ocasião, na melhor sintonia com o público que estará presente. Use roupas que lhe façam sentir confortável com a sua aparência e que sejam cômodas (atenção especial para os sapatos!). Evite qualquer peça que lhe tire a atenção do que vai fazer, como, por exemplo, acessórios que façam ruído, roupas apertadas ou muito largas (já viu gente que fica levantando a calça a todo momento? Eu já!).

 

E agora que você já está no palco?

 

Quando chegar e durante o tempo da reunião ou apresentação, sorria sempre que for possível. Além de relaxar a musculatura facial, alivia a tensão geral, ajudando a receber seu público de maneira simpática e facilitando a conexão com eles. Se o assunto for tão grave ou sério, que não seja adequado sorrir, procure manter a sua expressão relaxada e receptiva.

 

Faça contato visual com as pessoas. Evite aquele antigo conselho de se fixar num ponto atrás da plateia e tente olhar para cada um que lhe esteja assistindo. Quando olhamos nos olhos das pessoas, elas se sentem como se fossem únicas e ficam mais abertas ao que você estiver compartilhando ali.

 

Lembre que ninguém é perfeito. Como qualquer outra pessoa, você pode errar alguma coisa. Se for possível, conserte na hora ou deixe passar. Muitas vezes, nós percebemos o erro porque sabemos tudo o que queríamos dizer, mas a audiência não! Procure ser mais generoso com você mesmo. Tenha a certeza que o mundo continuará girando da mesma forma, mesmo quando algo sai diferente do planejado.

 

Procure manter uma postura ereta, com braços relaxados, pernas ligeiramente abertas com o peso do corpo distribuído igualmente. Seus gestos podem ser abertos, mas de preferência, mantenha seus braços na altura do tórax. Evite o gesto de apontar o dedo.

 

Mova-se tranquilamente no espaço que tiver, de preferência, durante trocas de slides. Andar de um lado para o outro o tempo todo, faz com que as pessoas tenham que ficar se virando para acompanhar seus movimentos, gerando incômodo nos espectadores.

 

Use a sua voz de forma viva, dando ênfase nas palavras ou trechos que queira que fiquem gravados na mente das pessoas. Alterne em tons de voz mais baixo e mais alto para trazer energia e deixar a plateia sempre atenta e entusiasmada pelo que você dirá a seguir.

 

E para terminar, lembre que a prática e o conhecimento do que você apresentará é o que fará você dominar o palco ou uma conversa em uma reunião ou entrevista. Portanto, além das técnicas acima, estude muito bem o conteúdo que levará e pratique-o muitas vezes, em diferentes formas, até poder contar toda a sua história, sem o apoio dos slides. Pratique até não aguentar mais. Depois, treine a entrada e saída dos slides, sincronizando com a sua fala.

 

Com o tempo e a repetição, chegará o dia em que

você nem lembrará que tinha medo de falar em público!

 

Vamos começar? Então volte ao parágrafo lá em cima que trata da respiração e comece hoje mesmo com esse simples exercício, que vai lhe trazer calma e baixar a tensão nos momentos mais difíceis! Vale para a vida e não apenas para quando precisar se apresentar em público.

 

Se ainda assim, se sentir ansioso ou travado, venha conversar comigo. Eu nunca tive problemas, além da insegurança de principiante. Fiz muitos dos cursos que comentei para melhorar a técnica e adquiri a segurança necessária. Mais tarde, de tanto observar amigos e colegas que dominavam seus campos de atuação, mas tremiam quando tinham que expor suas ideias, desenvolvi uma prática individual em 5 encontros, que pode lhe garantir a confiança necessária para sua próxima apresentação!

 

Gostaria de expandir o assunto, conhece outras técnicas? Deixe nos comentários e vamos colaborar no aperfeiçoamento da comunicação de todos !

 

Obrigada por ler o artigo e, se achar que ele pode ajudar a outros, por favor, curta, comente e compartilhe em suas redes, para que alcance mais pessoas!

 

Sou Estrategista em Imagem e Marca Pessoal, e o que mais gosto desse trabalho é impulsionar o crescimento das pessoas, contribuindo para que se sintam mais felizes com suas vidas.

 

Se quiser saber mais, entre em contato comigo.

 

Imagem principal: Ryan McGuire via Pixabay

0 Comments
Share Post
No Comments

Post a Comment